Neste meu espaço aberto, está exposto um livro incompleto......

17
Set 09

Pelas ruas da minha vida,

Fui espalhando sementes

E como quem nada se importa

Com ventos e tempestades

Levaram de mim raizes e sinais

Tristezas, mágoas profundas e bestiais

Que arrancadas do fundo do coração, espalhei

E marcas de raivas leves e amores

Noutras ruas eu deixei

Porém da primavera,

Em que outras plantadas foram

Germinaram três flores belas

Grãos plenos de vida e beleza 

Quais mananciais de água doce

Em desertos áridos e tórridos

São agora oásis onde descanso

O olhar, o corpo e a alma

Onde o futuro sorri e tem luz

E noutras ruas da minha vida

Em que fui espalhando sementes

Crescem nalgumas jardins

Hinos à vida e ao amor

Que são pedaços de mim

 

 

 

 

publicado por noitesemfim às 23:08

27
Ago 09

 

Nessa noite quente de verão
Como em tantas outras noites
Libertaram-se os sentidos e no calor
Da discussão dos corpos acessos
Sussurro-te ao ouvido 
"Amo-te demais para que não me ames ainda mais
Apenas guardo em mim o medo de adorar"
E da minha voz rouca de paixão soltou-se ainda 
"Quero que me ames o quanto queiras
O quanto sintas, mas não quero que me adores
E sinto tantas vezes que é isso que fazes
Sinto-o no teu toque, no teu suspiro e sinto-o principalmente no teu olhar
E é desse sentir do olhar que me arrepio
E é nesse momento, em que o teu procura o meu
Em que os teus olhos me trespassam
Em que procuras a minha alma, o meu ser
É nesse momento que eu temo o meu próprio ser
Porque ele, o meu ser, se quer entregar e perder-se de mim"
Tu juntas as palavras, juntas os pedaços de mim
E levas-me e sinto que sem ti jamais serei novamente eu
E é então que me perguntas com ar cândido de entrega
"Estás triste?"
Lâguidamente respondo
"Porque estarei eu triste?
A vida sorri-me na tua forma de mulher"
"Tenho paz agora", respondes e eu pergunto 
"Então porque não dormes e me fazes despertar
E despertar-te?"
publicado por noitesemfim às 02:29

23
Ago 09

Dos meus olhos emanam

 

Claros reflexos da minha alma

Dos meus sonhos e emoções

Desta alma que revela passsado

De outra vida, tempos, desejos

Desta alma brotam segredos

Calados, quietos, lá no fundo

Outrora receios, covardes medos

De viver a vida, deste mundo

 

Do azul dos meus olhos emanam

Também lágrimas, tristeza e dor

E misteriosos sorrisos

Que transportam missivas novas

São os reflexos da minha alma

Tantas vezes a contradição

Entre o que quero e o que desejo

Os impossiveis sonhos, quimeras

Entre o possivel que tenho e vejo

 

E dos meus olhos emanam

Mil promessas do que agora sou

Um ser novo, renovado, imune

E ao mesmo tempo frágil como cristal

E navego em águas profundas

De mares multicores

E sinto que sei, sim, eu sei

Sei de onde vou, sei até quem sou 

 

E dos meus olhos que emanam

Os reflexos da minha alma, verás

O amor que sinto, que nos une

Como o verde em campo de flores

De onde exala o teu perfume

Em explosão de mil sons e cores

Que me excitam, inebriam, transportam

Em viagens de maravilhosa esperança 

Eu e os meus olhos esperamos

 

 

publicado por noitesemfim às 14:11

13
Ago 09

Por ora, mas apenas por ora

Prefiro assim, em silêncio

E no silêncio imaginar, a tua pele

Na minha pele mesclar cores

Sabores de outros tempos

Dou-te o meu copo, como livro

Para escrevermos sonhos

E descrevo no meu imaginário

O futuro alicerçado no passado

Do mar quero a profundidade

Como queria a tua agora

E no verde e azul de mar e céu

Poder espraiar a vista até perdê-la

E num sopro descansar

O corpo e a mente e pensar

O sonho tornou-se realidade

 

 

publicado por noitesemfim às 22:46

10
Ago 09

 

De hoje em diante assim viver é loucura.

 

Esta insana distância que nos separa faz a mente largar do corpo

E numa incessante procura as recordações surgem em catadupa, desordenadas.e incessantes.

E saber onde estás e esperas, aumenta a saudade.

Vive-se agora em momentos que tardam em passar e em tempos que tardam em acontecer.

Da realidade acontecida no passado recente restam doces recordações como promessas de outras realidades futuras.

Dois em desalinho na sôfrega espera de um amanhã que tarda em acontecer, mas se Deus o escreveu que podes tu fazer ou eu?

É nesta suave espera que se assiste ao renascer de cada dia, mas de hoje em diante assim viver é loucura... 

   

publicado por noitesemfim às 22:42

26
Jul 09

 

Passam-se os dias, os anos e vidas inteiras numa busca, tantas vezes desenfreada, da felicidade como se fosse objecto a encontrar ao virar da esquina.

Tanto se escreve e medita sobre o tema, que há convicções cultivadas ao longo de tempos incontáveis e que são abaladas, desmoronadas até.
Por esta busca, a da felicidade, caem impérios, reinos e acabam vidas em antecipações temporais de efeitos devastadores.
É assim que na ânsia de lhe chegar, de lhe tocar, de a sentir, actos quase insanos se cometem, não obstante aquilo que se lê e se partilha.        
E se em calma e paz de sussurros de afagos e murmúrios de afectos pudéssemos esperar por ela?
E se não havendo murmúrios de afectos, nem sussurros de afagos, ainda assim pudéssemos esperar por ela?
 
 

(Um pensamento)

  

Ás vezes sentimos o que nunca antes sentimos e é desses sentimentos novos que fazemos o ponto de partida rumo a um futuro que desejamos novo, tal como os sentimentos que lhes deram razão de existir.

 

 (Um outro pensamento, uma quase certeza)

 

 

publicado por noitesemfim às 00:43

23
Jul 09

Perdi meu olhar em tempos

Em folhas que depois rasguei

E navegando em mar aberto

De sorte minha me enconterei

 

Segui pegadas em brancas areias

Percorri distâncias sem fim

Li almas soltas livres sem peias

Tudo em sonhos escritos por mim

 

Dos contrastes da vida, pintei

A vida e a loucura da paixão

A solidão e a liberdade te dei

Para longe ruma o meu coração

 

Ser aquilo que sou e quero ser

Não importa o custo que tem

A chama do amor irá reacender

A vida minha e de outrém

 

 

 

    


22
Jul 09

Cai a tarde em recolhimento silencioso e miram-se olhos como espelhos, timidamente reflectindo o que lhes vai no peito. 

Uma saudação a medo, aragem ligeira de fazer arrepiar. 

Noite dentro sob nublosas e estrelas a paixão solta-se como cavalo a galope desenfreado sem tino, sem nexo.

Embalados primeiro, pelo doce murmurar do beijo, depressa voam nas asas que ambos inventaram para cruzar caminhos tão longínquos, antes, saciam-se agora na urgência dos corpos suados, no desespero de serem um só por momentos, e outros momentos únicos.

Amanhece, restam agora os perfumes entranhados em pele, como que para não esquecer, à medida que a distância aumenta.   

É assim a loucura suave da paixão   

publicado por noitesemfim às 11:08

17
Jul 09

Passa o tempo, o caminho alonga-se, a objectividade vem chegando.

Esbatem-se passados na esperança de futuros. Neste tempo que tem passado desde que a viagem teve início, distâncias têm aumentado inexoravelmente.

Outras há que de forma súbita, vindas do nada, tomam formas de tudo. 

Mãos que se afastam, corações que se aproximam.

São distâncias a que se cumprem, umas irreversíveis, outras ainda embriões.  

Interrogações vão sendo respondidas, sobressaltos vão acalmando, revoltas e raivas a definhar.

Esperanças, outras, a nascer.

O brilho volta ao olhar, o sorriso retoma a sua forma, agora de forma suave é certo, mas certo de o ser.

É este o destino.

publicado por noitesemfim às 13:09

16
Jul 09

Seguiu as suas pegadas leves, na areia branca da praia deserta. Não era preciso levantar o olhar, sabia exactamente onde elas se dirigiam.

Fora acertada a hora e o local.

O local era aquele, numa praia, a hora, o pôr do sol.

Quando a arriba deixou ver mar, viu-a, pés na areia molhada pelo ir e vir da espuma branca das ondas de maré calma naquele fim de tarde ameno, parada olhando o horizonte. O seu cabelo esvoaçava levemente embalado pela ligeira brisa vinda do oceano.  

Como que extasiado na deslumbrante imagem dela, esperou parado que ela se voltasse e o visse. A percepção de que era ali o seu porto, havia-o impulsionado, quase voando até aquele encontro.

Calmamente ela voltou-se e sorriu e a distância que ainda os separava ficou reduzida a nada. 
Como quem encontra saudoso amigo de longa data ou mesmo amor de vida toda, as mãos de ambos estenderam-se e tocaram-se e depois foram os corpos que se entregaram a um longo e terno abraço.

Ainda sem palavras ditas, ficaram a olhar-se durante um tempo que pareceu uma eternidade, porque pensavam saber antecipadamente o que iriam dizer um ao outro, mas na quela serenidade amena apenas os olhos falaram.

Com o olhar, disseram-se da urgência do toque, do afago na pele suave, do carinhoso afagar do cabelo, do beijo no pescoço, do acelerar da repiração, da excitação do toque das mãos pelo corpo inteiro, da entrega ao desejo até que este fosse saciado.

Num só olhar o mundo girou, o mundo de ambos se transformou . Barreiras ruiram, castelos construidos, pelas pedras que ambos houveram apanhado nos seus caminhos que nunca antes se houveram cruzado.    

Caiu a noite, ergueu-se a lua traçando nas águas calmas um caminho até aos milhões de estrelas que brilhavam no firmamento.

E foi nessa praia que se amaram pela primeira vez, corpos unidos, suados, indiferentes à ligeira maresia e uma e outras vezes, paixões em lume aceso com labaredas de gigantesca necessidade, abandonando-se ambos um ao outro.

Em breve o sol nasceu, e a estrada taçada pela lua, em direcção ao firmamento se alargou e o mar que havia sido de prata tornou-se em verde esmeralda.

De mão na mão, de coração com coração, as pegadas, agora lado a lado, foram-se afastando da beira-mar, com a certeza de ali voltar. Tal como a certeza de qua as suas vidas seguiriam para sempre lado a lado com as pegadas deixadas na areia daquela praia. 

 

publicado por noitesemfim às 15:07

Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
pesquisar