Neste meu espaço aberto, está exposto um livro incompleto......

06
Jun 10

 

 

 

 

 

 

(POR FAVOR DESLIGUE O GENÉRICO DESTE BLOG)

 

 

Mãe,

 

Entreguei-te à terra um dia e contigo foi parte de mim

Outras partes dispersas, por aqui ficaram

Umas, presas nos sorrisos dos filhos meus, netos teus

Outras sós, que vou recolando e sobre as quais me reergo


Mas mãe,

É na tua solidão, daquela em que me deixaste

Que recolho a grata memória do teu puro amor, incondicional

Dessa solidão ressalta a lembrança dum sorriso iluminante

Um gesto mágico, um afago doce como mel, o teu

E há medida que o tempo passa, impiedoso, inexorável

Mais em mim se reacende a recordação que nem o tempo apaga


Mãe,

Eu sei que de ti vou ficando cada vez mais só

Mas como disse há um tempo e este tempo não tem medida

Porque tive o previlégio de ser carne da tua carne, sangue do teu sangue,

Guardo em mim a grata esperança de te reencontrar


Mãe.

publicado por noitesemfim às 00:54
tags:

João,

A ternura de um amor de mãe não tem nada que se lhe compare...
E quando ele nos falta, vamos secando , por dentro, um pouco, todos os dias...

Lindo este teu beijo à mãe!!!

Beijo
Margarida
MIGUXA a 6 de Junho de 2010 às 01:29

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
pesquisar
 
subscrever feeds