Neste meu espaço aberto, está exposto um livro incompleto......

14
Jul 09

Hoje ao olhar para trás apenas vi pegadas de sonhos meus..... 
Invadido pela sensação de não me sentir real, reconheci por instantes que é possivel sobreviver em memórias e lembranças de algo que certamente nunca terei...
O rumo da minha vida não pode ser mudado… Sonhos submersos, os meus agora estão!
Sonhos? Não!  Agora são apenas ilusões que transporto num saco cada vez mais vazio mas que nem por mais vazio vá ficando reflete alivio na carga que comigo transporto.  Vazio é tambem o reflexo dos 
meus olhos, cujo reflexo no espelho me mostram o que nunca fui.

Agora não desejo mais nada... 
Momentos há em que já não sei o que sou! 

Dou por mim naquele lapso temporal que não é lugar nenhum, mas parece ser o universo inteiro.
Encerro em mim um mundo inexplorado, triste, adverso, confuso...
Quando é que isto irá acabar?! A resposta está onde Eu sei...

 

Perceber que a vida não tem sentido agora…

 

É um caminho sem fim, pleno de cruzamentos, encruzilhadas e curvas, mas cujo destino desemboca no mesmo local: tristeza…
Sou o detentor do mapa que transporto nas mãos, mas sigo o percurso errado porque os meus olhos se negam a olhar para ele e assim continuo a andar, sem saber para onde ir… 
Viro costas, não querendo viver o presente e pensar no futuro, voltando para trás, seguindo a estrada do meu passado, preferindo agarrar-me ás recordações,  que sei, irão esvoaçar, acabando por apenas deixar-me as marcas profundas que só um verdadeiro amor pode deixar...! 
Nada serve de nada, nada consegue afastar a magoa.

A vida agora sustentada por ilusões e fantasias...que são afinal tudo … e fazem-me rever o amor, a felicidade, a alegria...

O pesadelo é o  exacto retrato  da existência... Que seria de mim se a ilusão não me acompanhasse?!?!
Neste destino encruzilhado, em que fingir ser feliz e alegre, leva mais ao engano os outros que a mim próprio...

Agora apenas o tempo conta até ao exacto momento de tirar a venda dos olhos!

E nesse exacto momento morrerei para renascer de cinzas apagadas... 
A felicidade foi fugaz, foi efémera se medir o tempo a que estava projectada e fugiu-me de entre as mãos como água.

Agora, nem sombra dos sonhos que sonhei, dos planos que fiz, posso manter.... 
Carrego galáxias no meu peito distantes, solitárias... Nada me pertence nada, nem a vida, nem ilusões e até as quimeras ruíram...

Sou o protagonista só, num filme do qual não escrevi nem argumento nem guião... 
Um dia aprendo... ou nunca aprenderei... é o meu destino...

publicado por noitesemfim às 03:37


Muito bom o que escreveu! Cheio de verdade, sensibilidade quando diz :

"a felicidade foi fugaz, foi efémera e fugiu de entre as mãos como água..."

que verdade tão forte, tão real.

Parabéns! Vim para conhecer como escreve e gostei!

Sou a Maria Luísa do: http://prosa-poetica.blogs.sapo.pt

a quem teve a amabilidade de visitar e deixar comentário.

Obrigada,

Mª. Luísa
M.Luísa Adães a 14 de Julho de 2009 às 09:55

Obrigado pela sua visita, pelos seus comentários e pela amabilidade de me me considerar seu"amigo" adicionando-me.
Volte sempre que isso lhe seja agradável, farei o mesmo.

Cumprimentos
noitesemfim a 14 de Julho de 2009 às 10:56

Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

13

19
21
24
25

30


mais sobre mim
blogs SAPO
pesquisar
 

View My Stats