Neste meu espaço aberto, está exposto um livro incompleto......

01
Ago 10

 

 

Esta pele que envergo, desde o ventre da minha mãe

Sinto-a plena de cheiro a mar sem que este a tenha beijado cedo

Mais seria o sabor da terra que dela devia exalar

Pois foi mais da terra o calor, que primeiro a banhou.

 

Esta pele que envergo desde o ventre da minha mãe

Recebe o sol em todos os areais e mantos verdes

Envolve-se nas cálidas águas de mares que nunca antes conheceu

E devolve em forma de exalo suas doçuras e cores

 

Esta pele que envergo desde o ventre da minha mãe

Pele única que alberga sem pecado e sem razão, amarguras

E sem que lhe seja dito deixa-as entrar em mim

E de mim sai por esta pele sem que possa evitar, o amor

 

Esta pele que envergo desde o ventre da minha mãe

Guarda em mim a dor, se ela existe e num continuar contínuo

Por esta pele apenas sai agora, o que de melhor eu trouxe

Do cálido e doce aconchego do ventre da minha mãe.

 

 

 

 

 


publicado por noitesemfim às 10:06

Então meu querido amigo?
e se a pele guardar alegria ??

beijinhos

Nota: gostei mmas preferia que fosse mais alegre
Marta a 10 de Agosto de 2010 às 14:10

Olá amiga, obrigado por" passares por mim".
A pele, esta pele, a minha pele tem outros tons...
Um beijo
noitesemfim a 11 de Agosto de 2010 às 15:42

Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
pesquisar
 

View My Stats